RJ: Mães exigem punição para PMs da Chacina do Borel

A- A A+
Pin It

Após um ano de espera, um novo júri foi convocado para julgar chacina promovida pela Polícia Militar (PM) no ano de 2013, na ação que ficou conhecida como Chacina do Borel. A audiência está ocorrendo no Fórum na rua Erasmo Braga, centro do Rio de Janeiro, hoje, dia 22/11. Um manifesto foi feito na porta do Fórum pelas mães de filhos mortos pelas mãos do Estado genocida – mães que vêm há muito tempo denunciando a forma brutal que moradores de comunidade são tratados em operações policiais onde as consequências dessas ações resultam sempre em mortes.

Um pouco mais sobre a chacina

No Borel, em 2013, quatro homens foram mortos a tiros em uma operação do 6º Batalhão: Carlos Alberto da Silva Ferreira, pintor e pedreiro; Carlos Magno de Oliveira Nascimento, estudante; Everson Gonçalves Silote, taxista; e Thiago da Costa Correia da Silva, mecânico.

Thiago havia saído para encontrar o amigo de infância, Magno, em uma barbearia na Estrada da Independência, principal rua de acesso ao morro do Borel. Quando saíram do barbeiro, Magno e Thiago, além de Carlos Alberto, que tinha acabado de chegar à barbearia, ouviram sons de disparos e correram em direção a uma vila conhecida como Vila da Preguiça.

Ao entrarem na Vila, os jovens foram baleados por PMs que estavam na laje de uma casa. Magno, que tinha apenas 18 anos, levou seis tiros — sendo três pelas costas — e morreu na hora. Thiago, que tinha 19 anos, ainda agonizou no chão pedindo socorro, dizendo que era trabalhador e, mesmo assim, foi assassinado com cinco tiros, sendo um pelas costas. Carlinhos, como era conhecido Carlos Alberto, tinha 21 anos e foi atingido por doze disparos, sete deles nas costas e outros cinco na parte interna do antebraço direito e mãos direita e esquerda — sinais de que a vítima protegia o rosto quando foi executada.

Outra vítima fatal da operação foi Everson Silote, de 26 anos. O taxista voltava para casa a pé quando foi rendido por policiais na Estrada da Independência. Afirmando ser trabalhador, Everson carregava um envelope com todos os seus documentos e insistiu em mostrá-los, mas foi executado antes de apresentá-los.

Além das quatro vítimas fatais, foram baleados Pedro da Silva Rodrigues e Leandro Mendes. Os policiais registraram as mortes como "autos de resistência" — quando a pessoa é morta em uma troca de tiros com a polícia. No entanto, as investigações concluíram que os quatro rapazes foram executados. Os anos se passaram e, depois de adiamentos de julgamentos, recursos e mais recursos, até hoje, nenhum dos PMs que participaram da chacina foi efetivamente preso — com exceção do cabo Marcos Duarte Ramalho.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja