AM: Invasão e atentado contra indígenas do Rio Negro

A- A A+
Pin It

Barco hotel do empresário Flávio Talmelli invade a Terra Indígena Jurubaxi- Téa  

Homens armados invadiram a Terra Indígena (TI) Jurubaxi-Téa, próximo à cidade do rio Negro (Amazonas), e feriram com disparos o indígena Arlindo Nogueira, no dia 16 de novembro, segundo a Federação de Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN). De acordo com  a entidade, os homens estavam a bordo do barco-hotel da empresa Amazon Sport Fishing – empresa de pesca.

Um empresário da pesca teria sido o responsávepelo atentado ao indígena, afirmou a FOIRN. “Por volta das 14h30, Flávio Talmelli, da empresa de pesca Amazon Sport Fishing, escoltado por policiais do município de Santa Isabel do Rio Negro, invadiu com um barco-hotel a TI Jurubaxi-Téa. Ao ser interpelado por vigilantes da comunidade de Tabocal do Uneuixi, o empresário provocou um grave atentado com arma de fogo, ferindo Arlindo Nogueira, da etnia Baré, vigilante da terra indígena e do Projeto de Pesca Esportiva desenvolvido pela Associação das Comunidades Indígenas do Médio Rio Negro (ACIMRN), associada à FOIRN.”, denunciou a federação.

Os indígenas teriam tentado iniciar diálogo com os responsáveis do barco para impedir que o mesmo adentrasse em seu território. Segundo a FOIRN, “no barco invasor estavam o proprietário e funcionários da empresa, turistas e três policiais – dois civis e um militar – à paisana” e, assim que foram interpelados, ignoraram os vigilantes indígenas. Ao observar a total violação de seu território, eles  desamarraram um dos botes do barco-hotel para tentar forçar a sua parada.

“O empresário Flávio Talmelli foi até a comunidade, escoltado pelos policiais armados com metralhadora e pistolas à vista, para recuperar o bote. O próprio empresário deu voz de prisão aos indígenas, gritando que eram autoridades federais, conforme comprovam registros de áudio feitos pelas lideranças indígenas”, denunciou.

Segundo a federação, o empresário e os policiais chegaram a ameaçar mulheres e crianças da comunidade. Os policiais, agindo como capangas do empresário, no intuito de intimidar ainda mais os indígenas, dispararam com suas metralhadoras e pistolas contra uma escola e contra o chão. O vigilante e liderança indígena Arlindo Nogueira foi ferido por um tiro quando tentou segurar uma das metralhadoras que disparavam contra a escola, disse a entidade.

Para completar, quando os indígenas foram denunciar o caso à polícia na sede do município, foram recebidos com voz de prisão. “Os policiais prenderam e agrediram o menor Arlielson Bezerra Anaure, filho de 15 anos de Arlindo, que passou a noite preso sem receber alimentação e água”, expôs a FOIRN. “Ferido, Arlindo ficou algemado no hospital de Santa Isabel do Rio Negro, onde os policiais permaneceram dificultando o acesso de parentes”, completou a denúncia.

Arlindo Nogueira, do povo Baré, foi atingido por policiais que escoltavam o empresário 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja