Índia: 50 mil camponeses marcham e rechaçam superexploração

A- A A+
 

Camponeses marcham em Nova Delhi 

Pelo menos 50 mil camponeses marcharam sobre a capital da Índia, Nova Delhi, para protestar contra o alto custos da produção e contra a queda nos preços dos produtos agrícolas, no dia 30 de novembro.

A massa camponesa exige que o governo convoque uma reunião especial no parlamento indiano para que seja discutida a crise no campo, na presença dos agricultores. Isto porque a crise pela qual passam os camponeses é resultado das políticas implementadas pelo governo do arquirreacionário Narendra Modi e pelo parlamento.

O preço das mercadorias produzidas pelos camponeses pobres é mantido baixíssimo por conta da política anti-inflacionária aplicada por Narendra Modi, que visa manter garantir a sobrevivência precária do proletariado urbano mesmo com um salário de fome, tudo às custas da miséria dos camponeses – obrigando-os a vender alimentos e outras mercadorias a preços irrisórios – garantindo que as grandes empresas urbanas não precisem aumentar o salário dos proletários.

O núcleo da inflação na Índia, na qual os camponeses são um dos pilares de quase metade da população, oscilou em torno de 6% nos últimos meses deste ano, mas os preços dos alimentos caíram ou permaneceram estagnados, gerando miséria aos camponeses e mantendo os proletários urbanos sem aumento salarial. A atividade camponesa emprega quase metade da população indiana.

“Os agricultores têm cometido suicídio rotineiramente.”, disse um dos líderes do protesto, Yogendra Yadav, enquanto marchava em meio a uma multidão na avenida central de Nova Delhi, em entrevista ao monopólio da imprensa Reuters.

Por outro lado, o governo abandonou os subsídios que fornecia aos camponeses que, agora, além de vender seus produtos a preços baixos, pagam uma série de tributos, juros altos, além de sementes, fertilizantes e ferramentas sem apoio do Estado. Tal situação esmaga os camponeses, parte da semifeudalidade da sociedade indiana.

“Vivemos uma existência de fome por muito tempo, mas o aumento dos preços das sementes, diesel e fertilizantes e a queda dos preços do leite, frutas, legumes e até mesmo grampos é a gota d'água”, disse o camponês Shivpal Yadav, em meio ao protesto, à mesma fonte.

Na Índia, combatendo essa miséria, está em marcha a guerra popular dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoista), que empreende a Revolução Agrária – isto é, tomada e distribuição das terras aos camponeses pobres, apoio à cooperação e, apoiando-se no Poder político estabelecido nas regiões tomadas, desenvolver a economia camponesa para superar a miséria e a opressão da cidade pelo campo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja