Colômbia: Estudantes combatem pelo direito a universidade pública

Centenas de jovens estudantes realizaram uma grande marcha em várias cidades do país para exigir mais investimento para as universidades públicas, no dia 28 de novembro. A mobilização foi uma reação espontânea ao sucateamento do ensino superior público, após vários reitores anunciarem que não alcançariam os recursos necessários para terminar o ano letivo. O movimento dos estudantes e professores dura já mais de dois meses.

Em Antioquia, estudantes da Universidade de Antioquia levantaram barricadas em uma importante rua da cidade, para pressionar o novo governo semicolonial-semifeudal do arquirreacionário Iván Duque Márque. O protesto terminou em violência após a polícia dedicar-se a reprimir a manifestação com truculência, a que os estudantes responderam arremeçando pedras, explosivos e bombas molotov. Participaram, dentre outros, os movimentos União Estudante do Povo (UEP) e o Movimento Estudantil a Serviço do Povo (Mesp).

Os estudantes lutam, especialmente, contra o plano dos sucessivos governos de sucateamento gradativo das universidades, a mando do Banco Mundial. Segundo o jornal democrático-popular El Comunero, ao sucatear as universidades, os governos querem obrigar que estas se “autofinanciem” cobrando matrículas, vendendo pesquisas a multinacionais e grandes empresas, acabando com programas de apoio aos cotistas. Segundo o jornal, essa medida seria acompanhada do impulso aos créditos para os estudantes buscando endividá-los com os bancos. Além disso, o governo busca aumentar o nível de exigência para o ingresso na universidade, com vestibulares mais difíceis, excluindo as camadas mais empobrecidas dos estudantes. Em contrapartida, o governo está incentivando e propagandeando as maiores universidades privadas.

O plano do governo, aplicado desde 1990, tem gerado um mar de sucateamento nas universidades. Prédios caindo aos pedaços, desmonte das estruturas de apoio aos estudantes como moradias, restaurantes universitários e transporte gratuito, contratação de professores por hora cátedra, entre outras medidas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin