RO: Bando paramilitar de latifundiário aterroriza camponeses

A- A A+

Camponeses mortos por policiais à mando de Jorge Bispo no episódio de 25 julho de 2018

O latifundiário e grileiro Jorge Bispo abriga em sua fazenda um grupo de pistoleiros que circula por uma vasta região de Rondônia realizando ataques terroristas com o objetivo de intimidar as comunidades camponesas próximas. Quem afirmou e denunciou isto foi a Comissão Pastoral da Terra (CPT), no fim de novembro de 2018.

Eles passam gritando, atirando para cima e em direção aos animais, espantando o gado nos currais, embriagados, gritando que têm autorização para matar, que são ex-presidiários e não têm medo de nada, nem de matar.”, afirma a nota, após “reiteradas denúncias” aos órgãos policiais, que nada fazem.

A nota da CPT descreve o clima de terror na região. “No local ninguém quer falar deste assunto com medo de retaliações, porém, é de conhecimento público que homens procedentes da fazenda estão com frequência exibindo armas pesadas, passando em frente às casas dos pequenos proprietários, vizinhos da terra grilada por Jorge Bispo.”. Supostamente, os macabros desfiles dos pistoleiros, que conformam um exército paramilitar particular (algo comum na região), utilizam também veículos roubados das próprias comunidades.

Jorge Bispo estaria organizando tais campanhas de terror para tentar expulsar camponeses que estabeleceram-se em uma de suas propriedades após seu próprio convite, usando-os para “justificar um projeto de manejo florestal de madeira”, segundo a CPT.

Após uma série de abusos realizados com o auxílio de policiais militares contra os camponeses, e uma campanha de espionagem e mapeamento das famílias que moravam na área, Jorge Bispo realizou um irregular despejo contra os camponeses, agora infame por ter resultado no assassinato de dois jovens e de um policial.

Relatamos à época o episodio que ocorreu na linha 29, no distrito de Nova Dimensão, cerca de 60 quilômetros de Nova Mamoré e 50 quilômetros de Jacinópolis, no dia 25 de julho de 2018. Além dos dois jovens camponeses mortos havia então relatos de desaparecidos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira