França: Estudantes tomam centenas de escolas

A- A A+

Estudantes do ensino médio que protestam contra as reformas da educação do governo francês colocam fogo em lixo em Marselha, no sul da França, nesta quinta-feira (6)  — Foto: Gerard Julien / AFP

Mais de 280 escolas e universidades foram transformadas em trincheiras de combate por estudantes secundaristas e universitários, na França. Os jovens rechaçam a contrarreforma educacional, proposta pelo governo de Emmanuel Macron – o movimento ganhou força no começo de dezembro por influência do levante popular contra o aumento dos impostos no consumo (o chamado protesto dos “coletes amarelos”).

Desde o dia 2 de dezembro as escolas secundárias, liceus e universidades têm sido palco de lutas. Neste dia, o liceu de Blagnac, em Toulouse, foi incendiado pelos estudantes, como forma de exigir a completa revogação da contrarreforma. No colégio Victor Hugo, em Marselha, estudantes também atearam fogo em lixeiras, impedindo o acesso da polícia. Em Seine-Saint-Denis, em mais de 24 colégios e liceus houve protestos em rechaço à contrarreforma, enquanto em Val-d’Oise, foram registrados levantes estudantis em pelo menos 15 liceus. Em Val-de-Merne, os estudantes fecharam escolas com barricadas em chamas e uma viatura foi incendiada. No dia 3, os protestos prosseguiram e, em pelo menos 188 liceus foram registrados levantamentos, por toda a França, segundo o próprio Ministro do Interior, Christophe Castaner.

Mais de 700 estudantes secundaristas (a ampla maioria, menores de idade) foram detidos desde o dia 2 numa onda de repressão. Os estudantes criticam particularmente as reformas do exame de final do secundário e do liceu, a plataforma de acesso ao ensino superior “Parcoursup” e a criação do serviço nacional universal (serviço cívico obrigatório de um mês aos jovens com 16 anos).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia[email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza