Palestine Chronicle: O Iêmen pode sustentar um conflito prolongado contra os EUA em apoio a Gaza

O movimento iemenita, Ansarallah Houthi, está pronto para se engajar em um conflito prolongado com a coalizão ocidental, liderada pelos Estados Unidos, mesmo em um cenário em que a guerra de Israel em Gaza dure por anos, afirma o jornal russo Izvestia na terça feira.

Palestine Chronicle: O Iêmen pode sustentar um conflito prolongado contra os EUA em apoio a Gaza

O movimento iemenita, Ansarallah Houthi, está pronto para se engajar em um conflito prolongado com a coalizão ocidental, liderada pelos Estados Unidos, mesmo em um cenário em que a guerra de Israel em Gaza dure por anos, afirma o jornal russo Izvestia na terça feira.
Print Friendly, PDF & Email

Nota da Redação: Reproduzimos abaixo um artigo publicado no portal Palestine Chronicle, que trata das capacidades militares do movimento Ansarallah em sustentar uma guerra contra o imperialismo note-americano.


O movimento iemenita, Ansarallah Houthi, está pronto para se engajar em um conflito prolongado com a coalizão ocidental, liderada pelos Estados Unidos, mesmo em um cenário em que a guerra de Israel em Gaza dure por anos, afirma o jornal russo Izvestia na terça feira.

Essa afirmação foi transmitida por Nasr Al-Din Amer, vice-diretor do Departamento de Informações do Ansarallah, em entrevista ao periódico russo.

De sua parte, Washington tem conhecimento das robustas capacidades militares dos Houthi e comparou a escada dos combates no Mar Vermelho com a Segunda Guerra Mundial

“De forma prática, atrasar o processo de um cessar fogo no conflito da Palestina significa que Washington será privada da opção de servir como garantidor da segurança na região”, publica Izvestia.

A União Europeia também declarou o lançamento de suas próprias operações para proteger os navios no Mar Vermelho.

Iêmen bem armado

O Vice-Almirante da Marinha dos EUA, Brad Cooper, segundo em comando do Departamento de Defesa Central dos EUA (CENTCOM), disse em entrevista com a CBS que a Segunda Guerra Mundial foi a última vez que a Marinha dos EUA participou de combates nessa escala e intensidade.

As vantagens dos militares do Ansarallah consistem no custo dos projéteis e drones lançados contra as embarcações civis e militares, diz Murad Arefi, do Centro de Estudos Estratégicos de Sana’a ao Izvestia.

“Os intensos lançamentos do grupo custam muito aos EUA. Os Houthis tem muito espaço para manobras, dada a área do Mar Vermelho e do Mar Arábico. Eles conhecem bem o terreno e estão bem armados pelo Irã. Podemos dizer o mesmo pelos dados da inteligência”, afirma o especialista.

De acordo com Arefi, primeiramente, o Ocidente estava apostando na perda de potência do grupo militar, mas com o tempo, se tornou claro que isso não seria uma tarefa simples.

Dito isso, o Movimento Ansarallah garantiu que as embarcações europeias não seriam atingidas pelos projéteis e drones.

“Nós não iremos atingir os navios da coalizão europeia se eles não fizerem nenhum movimento agressivo contra o Iêmen”, disse Nasr Al-Din Amer, mas “se a UE tentar nos impedir de cumprir nossas tarefas de ajudar a Faixa de Gaza e bloquear (Israel), então nós iremos considerar isso uma intervenção nos nossos interesses nacionais”

Solidariedade com Gaza

Os Ansarallah são um dos primeiros grupos da Resistência Árabe que declararam solidariedade com Gaza, se opondo a guerra genocida contra a região.

O grupo deixou claro que não tem a intenção de atingir nenhum outro navio além daqueles que estão destinados a Israel, declarando que eles só irão parar quando Israel acabar a guerra.

Washington respondeu criando uma coalizão de guerra, nomeada Operação Guardião da Prosperidade, e começou a lançar bombardeios contra alvos iemenitas, matando e ferindo muitos.

A união britânica estadunidense, entretanto, apenas encorajaram a posição iemenita, que começou a atacar navios britânicos e estadunidenses no Mar Vermelho.


O Palestine Chronicle é um portal online dedicado à cobertura jornalística dos eventos na Palestina e na Faixa e Gaza, com elevado compromisso na defesa do povo palestino e sua luta por libertação. O Editor do portal, Ramzy Baroud, foi entrevistado pelo AND no programa A Propósito, na edição que pode ser conferida aqui.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: