Ocupações estudantis pró-Palestina se espalham do USA à Europa

Na esteira das ocupações estudantis e protestos pró-Palestina em campi de universidades no USA, que já somam 40, estudantes franceses ocuparam o Science Po Paris.

Ocupações estudantis pró-Palestina se espalham do USA à Europa

Na esteira das ocupações estudantis e protestos pró-Palestina em campi de universidades no USA, que já somam 40, estudantes franceses ocuparam o Science Po Paris.
Print Friendly, PDF & Email

As ocupações estudantis pró-Palestina iniciadas em abril no Estados Unidos (USA) continuam a se desenvolver com todo o vapor, e agora se espalham para a Europa: no dia 26 de abril, estudantes franceses ocuparam o centro educacional Science po Paris em protesto contra a agressão sionista na Faixa de Gaza. Eles também denunciam a repressão policial contra os estudantes do USA, ao tempo em que o número de presos no país ultrapassa 250.

A entrada da Faculdade de Ciência Política da Science Po Paris foi bloqueada com materiais de construção e lixeiras. O Comitê Palestina formado na universidade exige uma “condenação explícita das ações de Israel em Gaza” e o fim de todas as colaborações com instituições cúmplices do genocídio do povo Palestina. 

Os estudantes também denunciaram que as “vozes pró-palestina no campus” estão sendo reprimidas e censuradas sob o falso discurso de que as mobilizações pró-Palestina são antissemitas. 

Vídeos e fotos da manifestação no Science Po Paris mostram os estudantes com rostos cobertos e trajados com lenços palestinos. Cartazes com as fotos da repressão à luta estudantil no USA sobre palavras como “Vergonha” também foram registrados.  

Repressão no USA 

O novo impulso da luta estudantil pró-Palestina na França ocorre ao mesmo tempo em que a repressão no USA já lançou mais de 250 alunos e estudantes solidários ao povo palestino atrás das grades, na tentativa de deter até agora irrefreável alta de ocupações estudantis e protestos em campi. 

Nos últimos dias, a repressão policial atingiu diferentes faculdades de cidades como Atlanta, Nova Iorque e Boston. 

Em Atlanta, ao menos dois professores da Universidade de Emory foram detidos durante as manifestações. Uma delas foi a professora de Economia Caroline Folin, imobilizada, agredida e presa por dois policiais.  Já na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, a polícia voltou a invadir o campus para agredir os estudantes. Na Emerson College, em Boston, a invasão policial foi enfrentada pelos estudantes, e o confronto acabou com 100 alunos presos e quatro policiais feridos. 

As ocupações estudantis pró-Palestina são uma expressão do crescimento da centralidade da causa Palestina no mundo após a Operação Dilúvio de Al-Aqsa e os 200 dias da guerra de libertação nacional contra o povo palestino. 

Nas manifestações, os estudantes exigem o fim da agressão à Gaza, mas recorrentemente vão além dessa reivindicação e pautam também o fim do Estado de Israel e o apoio ativo à luta armada da Resistência Nacional Palestina. 

Localmente, os estudantes de algumas universidades como Columbia, que tem parcerias com instituições de Israel, também demandam o rompimento dos laços acadêmicos e de financiamento. Após a onda de repressão, os estudantes da passaram a exigir também o rompimento de laços com o Departamento de Polícia de Nova Iorque. 

Atualmente, a lista das universidades ocupadas ou que foram palco de manifestações já chega a 40. Algumas delas são: 

  • Universidade do Texas, em Austin
  • Emerson College, em Boston
  • Universidade do Sul da Califórnia e Universidade da California, em Los Angeles
  • Universidade de Emory, em Atlanta 
  • Universidade City, na Filadélfia
  • Universidade de Columbus e Universidade do Estado de Ohio, em Ohio 
  • Universidade Northwestern, em Illinois
  • Universidade Cornell, Universidade Municipal de Nova Iorque e Universidade de Columbia, em Nova Iorque
  • Universidade George Washington, em Washington 
  • Universidade de Princeton, em Nova Jérsei 
  • Universidade de Harvard, em Cambridge

Tradição da luta estudantil

O movimento estudantil norte-americano historicamente se mobilizou contra guerras de agressão e regimes coloniais ou racistas. A Universidade de Columbia foi um importante epicentro de mobilizações contra o apartheid sul-africano, na década de 1980, e na época conquistaram o desinvestimento do regime. 

Dez anos antes, a guerra do Vietnã também foi amplamente rechaçada nos campi norte-americano. Na época, a resposta do Estado ianque também foi a repressão, em casos emblemáticos como na Universidade Estadual de Kent, em Ohio, onde a invasão da Guarda Nacional, enfrentada pelos estudantes, deixou quatro alunos mortos. Na época, as manifestações seguiram, levando adiante o legado dos caídos.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: