PA: Incêndio deixa 9 mortos no Acampamento Terra e Liberdade, do MST

Na noite do dia 9 de dezembro, um incêndio deixou nove pessoas mortas e diversos feridos no Acampamento Terra e Liberdade, organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Parauapebas, Pará.

PA: Incêndio deixa 9 mortos no Acampamento Terra e Liberdade, do MST

Na noite do dia 9 de dezembro, um incêndio deixou nove pessoas mortas e diversos feridos no Acampamento Terra e Liberdade, organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Parauapebas, Pará.
Print Friendly, PDF & Email

Na noite do dia 9 de dezembro, um incêndio deixou nove pessoas mortas e diversos feridos no Acampamento Terra e Liberdade, organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Parauapebas, Pará.

De acordo com a organização, o acidente ocorreu “após um erro na operação da instalação, uma descarga de energia de alta tensão atingiu os barracos provocando um incêndio. Dentre as vítimas estão 6 acampados e 3 trabalhadores da empresa G5 de internet”.  

O grave acidente revela, por um lado, as condições precárias dos trabalhadores da empresa fornecedora da internet. É sabido que casos de descargas elétricas e incêndios são recorrentes no país, mesmo em áreas urbanas e com condições menos precárias de trabalho e vida. Em 2022, foram 1.828 casos de acidentes e mortes envolvendo eletricidade, segundo o Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade. Por outro, destacam-se as péssimas condições de vida, moradia e trabalho aos quais os camponeses são submetidos, principalmente pelo monopólio da terra por poucos latifundiários e falta de terras aos camponeses pobres, além da negligência do velho Estado e órgãos institucionais no assentamento dos acampados.

O presidente Luiz Inácio posicionou-se sobre o caso, e afirmou que o governo está “trabalhando para avançar na retomada da reforma agrária, com a identificação de terras públicas disponíveis, para, após anos de paralisação, dar oportunidade de trabalho e produção para famílias do campo”. Todavia, o pronunciamento (dado após diversos episódios de silêncio presidencial acerca de graves crimes do latifúndio, seus bandos paramilitares e forças repressivas contra camponeses), não se sustenta. Até outubro de 2023, somente 10% da meta anual de assentamentos havia sido cumprida pelo governo, enquanto milhares de camponeses aguardam pela titulação de suas terras em acampamentos precários e alvos constantes de ataques, seja pela pistolagem, seja pelas sabotagens que miram estruturas como luz, água e internet.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: