PA: Semana de protestos estudantis em Belém

PA: Semana de protestos estudantis em Belém

Print Friendly, PDF & Email

Comitê de Apoio ao AND de Belém e Região Metropolitana

A última semana do mês de setembro foi marcada por uma série de protestos de estudantes, trabalhadores da educação e pais reivindicando melhorias nas escolas em Belém, no Pará. No dia 25/09, alunos e trabalhadores da educação da Escola Estadual Acy de Barros, no bairro da Sacramenta, reivindicaram melhorias na estrutura da escola que está em péssimas condições e conta com a presença de pombos nos forros, ameaçando a saúde de quem estuda e frequenta o espaço. 

No dia seguinte, pela manhã, estudantes e professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) fecharam a avenida Almirante Barroso em protesto contra o processo antidemocrático para a escolha dos membros responsáveis pela comissão eleitoral (membros responsáveis por conduzir o processo de consulta para o cargo de Reitor e Diretores). Segundos os alunos, o edital que regula a escolha não foi divulgado amplamente para a comunidade e praticamente ninguém ficou sabendo da assembleia que definiria os termos do edital. O método de votação, denunciam ainda, é antidemocrático, pois poderá ser feito virtualmente e cada pessoa pode trocar de voto quantas vezes quiser até o momento que a votação for finalizada. Os estudantes exigiram que o processo fosse alterado, mas, sem terem suas reivindicações atendidas, resolveram fechar a rua em protesto.

 

No mesmo dia à tarde, ocorreu mais um protesto, dessa vez no bairro do Jurunas, na Escola Estadual Camilo Salgado. Os manifestantes exigiram melhorias nas condições do espaço físico e denunciaram que estão sem bebedouro a mais de um mês.

No dia 28, alunos da Escola Deodoro de Mendonça fecharam a avenida Governador José Malcher, reivindicando melhorias da escola. Essa escola foi palco de uma intervenção da Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) contra a Base Nacional Comum Corricular, no dia 25.

No mesmo dia, outro protesto ocorreu na Avenida Augusto Montenegro. Pais e estudantes de uma escola particular fecharam a avenida protestando por um semáforo mais próximo a escola para facilitar a travessia e locomoção da comunidade escolar em uma das vias mais movimentadas da cidade. 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: