Paraguai: Ossos são encontrados na casa do general Stroessner, facínora elogiado por Bolsonaro

Paraguai: Ossos são encontrados na casa do general Stroessner, facínora elogiado por Bolsonaro

Print Friendly, PDF & Email

O assassino general Stroessner comandou a repressão por mais de 30 anos no Paraguai. Foto: Reprodução

Na primeira semana de setembro, as imprensas brasileira e paraguaia noticiaram que foram encontradas ossadas numa casa que pertenceu ao general Alfredo Stroessner, que presidiu a repressão no regime militar fascista paraguaio de 1954 a 1989. A residência, localizada em Ciudad del Este, é conhecida como Casa do Terror.

As informações veiculadas apontam que as ossadas foram encontradas por sem-teto que ocupavam a casa e cavaram para procurar bens enterrados, uma prática comum no Paraguai. Segundo Rogelio Goiburú, membro da Comissão da Verdade, os sem-teto estavam em busca de supostos tesouros da família Stroessner que estariam escondidos.

De acordo com nota publicada pela BBC, os ossos foram encontradas debaixo de azulejos de um banheiro e pertenceriam a quatro pessoas.

Stroessner, Elogiado por bolsonaro

A figura macabra do general fascista Alfredo Stroessner é lembrada pelo povo paraguaio pela feroz repressão, pelas torturas, assassinatos, desaparecimentos e até mesmo envolvimento em casos de pedofilia e estupro.

Nascido em 1912, Stroessner tornou-se o general mais novo da América do Sul em 1948, chegando, em 1954, ao posto de comandante do Exército reacionário, mesmo ano em que liderou um golpe de Estado que derrubou o governo de Federico Chaves. Em seguida, foi “reeleito” em pleitos marcados pela fraude por sete mandatos consecutivos (1958, 1963, 1968, 1973, 1978, 1983 e 1988).

Seu regime fascista durou até 1989. Durante todos estes anos, segundo a Comissão da Verdade, 459 pessoas foram mortas ou desapareceram por motivos políticos, 18.722 foram torturadas e 19.862 foram presas. Após sua saída, se exilou no Brasil e morreu em 2006 na cidade de Brasília. 

Foi a esta figura repugnante que, no fim de fevereiro de 2019, em visita oficial à fronteira entre Brasil e Paraguai, o presidente fascista Jair Bolsonaro fez elogios. Na ocasião, Bolsonaro disse que a construção da usina hidrelétrica de Itaipu só foi possível “porque do outro lado havia um homem com visão”. E arrematou: “Então, aqui está minha homenagem ao nosso general Alfredo Stroessner”.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: