Poema: “Angústia de um poeta revolucionário”, de Saroj Dutta

Poema: “Angústia de um poeta revolucionário”, de Saroj Dutta

Print Friendly, PDF & Email

Saroj Dutta (1914-1971) foi um poeta comunista indiano, importante membro do Comitê Central do Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista) sob direção de Charu Mazumdar à época do início da luta armada naquele país. Assassinado pela polícia de Calcutá em 1971. Poema publicado em homenagem aos 55 anos do levante de Naxalbari

 

Meus poemas nunca narrarão minha história,

Meus lamentos não ecoarão em qualquer linha solta,

Minha poesia não negocia o pesar dos miseráveis,

Nem é fetiche lascivo de uma mente impotente.

Não é decreto narcisista do amor universal,

ou a oferenda do frágil frente ao templo do poder.

Sou o camarada daqueles

que erguem a tocha da humanidade

no céu do povo. 

Não me encontrarás em nenhuma página de minha poesia

Meus limites curvam-se ao infinito inumerável.

Com a enchente em minha cola, desencadeei

o pântano estagnado, manchado de lama venenosa

Minha dor não chorará como num cemitério,

Sou uma gota intrépida no fervor oceânico de meu coração.

 

Charu Mazumdar e Saroj Dutta, com um Livro Vermelho em mãos. Foto: Reprodução.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: