PR: Estudantes de colégio estadual de Sarandi denunciam péssimas condições de escola, e governo responde com perseguição

Estudantes do colégio Panorama, de Sarandi (PR), denunciam perseguição do governo após mobilizações contra péssimas condições da escola.

PR: Estudantes de colégio estadual de Sarandi denunciam péssimas condições de escola, e governo responde com perseguição

Estudantes do colégio Panorama, de Sarandi (PR), denunciam perseguição do governo após mobilizações contra péssimas condições da escola.
Print Friendly, PDF & Email

Estudantes do 1º ano do Colégio Estadual Panorama, de Sarandi (PR), gravaram e publicaram um vídeo, que rapidamente viralizou nas redes, denunciando, em tom de ironia, a situação precária de seu colégio. O vídeo causou muita polêmica em toda a região do estado, o que rapidamente obrigou o governo a uma resposta – como de praxe, contra os estudantes.

Abandono total

No vídeo é possível observar a situação deplorável em que se encontra o colégio, situação que, infelizmente, é a realidade da maior parte das instituições públicas de ensino do estado do Paraná, bem como de todo o país.

As denúncias são inúmeras, desde as paredes completamente descuidadas e danificadas – com descascamentos de tinta e pichações -, a degradação e inacessibilidade da quadra esportiva – que além de estar em situação de completo abandono, ainda está localizada de tal forma que os estudantes são obrigados a atravessar a rua para acessá-la, até o estado lamentável dos banheiros, sem espelhos, sem papel higiênico, e sem portas.

Perseguição e retaliação

Devido às condições absolutamente precárias expostas pelos estudantes, e também à capacidade destes de fazerem a denúncia de forma chamativa e irônica, o vídeo rapidamente viralizou, gerando grande polêmica na cidade, assim como em toda a região.

Em resposta, o governo do estado do Paraná, chefiado pelo dr. Ratinho Jr., por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seed), enviou representantes do órgão para interrogar os alunos a respeito do ocorrido, o que gerou grande repercussão entre os alunos, pais e professores, de que o governo estaria perseguindo os estudantes.

A Seed, em nota, respondeu que se tratava apenas de uma visita rotineira, que já estava prevista de ser realizada – mas chama atenção o fato de ter sido realizada imediatamente após a publicação do vídeo. Além disso, a Seed também informou repasse de R$ 100 mil para reformas na escola. Apesar da demagogia do governo do estado, que tenta se defender e se vender como defensor da educação, ao mesmo tempo que é o grande responsável pelo sucateamento da mesma, os motivos da visita da Seed são muito nítidos.

Em entrevista para o jornal Boa Noite, do monopólio de imprensa RPC, uma das estudantes afirmou que os representantes do governo que foram ao local, submeteram os alunos denunciantes a um interrogatório a respeito do ocorrido. Se a visita se tratava apenas de algo rotineiro, sem qualquer relação com a denúncia realizada pelos estudantes, por que então os representantes da Seed utilizaram desta visita para interrogar os alunos? Alunos estes que são estudantes secundaristas, e cujos pais não foram comunicados nem convidados para essa “conversa”.

É nítida a postura repressora do governo do estado do Paraná e de seu cabecilha Ratinho Jr., que se utiliza de sua Secretaria de Estado de Educação, para, por meio da desculpa esfarrapada de uma tal visita rotineira, coagir os estudantes do colégio, a fim de impedi-los de se organizar politicamente para reclamar seus direitos.

Governo treme diante da luta estudantil

Se já é desprezível a tentativa de intimidar os estudantes, por parte do governo do estado do Paraná, mais ridícula ainda é a tentativa pelega do mesmo governo que, acovardado, promete repasses para reformas no colégio, tentando manter a aparência de preocupação com a educação. Onde estava a Seed, que diz acompanhar periodicamente os colégios, bem como o próprio colégio Panorama, durante todos esses anos nos quais o mesmo estava completamente abandonado?

Fato é que o governo teme mais do que nunca a combatividade dos estudantes, e sabe que não terá condições de conter uma luta que os mesmos venham a desencadear. Por isso mesmo, faz questão de utilizar de seus aparelhos repressores para conter qualquer faísca que venha a se acender, pois sabe que basta um pequeno foco, para que todo o estado – quiçá todo o país – se incendeie.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: