PR: Estudantes se mobilizam em ato pela reabertura do RU na UFPR

PR: Estudantes se mobilizam em ato pela reabertura do RU na UFPR

Print Friendly, PDF & Email

Estudantes protestam pela reabertura do RU da UFPR e contra os cortes de verbas nas universidades públicas. Foto: Reprodução

No dia 23 de outubro, um grupo composto por aproximadamente 50 estudantes das Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) realizou um ato pela reabertura do Restaurante Universitário (RU), que desde o ano de 2020 se encontra fechado. O protesto foi convocado pela Frente Estudantil contra a Educação a Distância (EaD).

A manifestação foi organizada em colunas, seguindo o distanciamento social e o protocolo de prevenção à Covid-19. No início do protesto, a Guarda Municipal tentou impedir a saída dos manifestantes, sob a alegação que não havia sido concedida a permissão para a sua realização. Porém, frente à repressão, os estudantes se mantiveram firmes e, entoando palavras de ordem, deram continuidade ao ato pela rota planejada.

O protesto seguiu até a Reitoria da UFPR, seu destino final. No local foram realizadas agitações com entrega de panfletos aos transeuntes e nos semáforos. Os estudantes também exibiram faixas com os dizeres: Pela reabertura do RU! Abaixo a privatização da Universidade Pública!; Barrar a privatização com greve de ocupação! e Contra os cortes: em defesa da Pesquisa e da Ciência Nacional!. A população no entorno e até mesmo os servidores da UFPR demonstraram seu apoio à causa.

Ao final do ato, os estudantes demarcaram a importância da luta presencial e combativa, defendendo que somente com ela que os direitos estudantis serão garantidos. Além disso, afirmaram que esse foi apenas o primeiro de muitos atos que estão por vir, até conquistarem a reabertura do RU com a entrega de marmitas e a reabertura da Universidade para todos os cursos com os devidos cuidados sanitários.

Além do ato, os estudantes também fizeram colagens próximo ao prédio da UFPR com panfletos que denunciam os ataques do governo militar genocida de Bolsonaro/generais à educação. Foto: Reprodução

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: