PR: Policiais fazem incursão criminosa em Ocupação Nova Esperança

Desde o dia 1° de abril, policiais têm realizado uma incursão violenta e sem mandado judicial na ocupação Nova Esperança. Moradores denunciam que os militares invadiram as casas e promoveram terror na noite. A ocupação, se localiza em Campo Magro, Região Metropolitana de Curitiba.

PR: Policiais fazem incursão criminosa em Ocupação Nova Esperança

Desde o dia 1° de abril, policiais têm realizado uma incursão violenta e sem mandado judicial na ocupação Nova Esperança. Moradores denunciam que os militares invadiram as casas e promoveram terror na noite. A ocupação, se localiza em Campo Magro, Região Metropolitana de Curitiba.
Print Friendly, PDF & Email

Desde o dia 1° de abril, policiais têm realizado uma incursão violenta e sem mandado judicial na ocupação Nova Esperança. Moradores denunciam que os militares invadiram as casas e promoveram terror na noite. A ocupação, se localiza em Campo Magro, Região Metropolitana de Curitiba.

Moradores denunciaram que no período noturno quatro viaturas adentraram de forma truculenta nas imediações da ocupação e invadiram as casas. Em vídeo, os moradores denunciam que, em uma das invasões, uma mulher foi torturada na frente dos filhos e da comunidade.

Os moradores reagiram aos ataques e expulsaram a Polícia Militar e o Batalhão de Rondas Ostensivas de Natureza Especial (RONE). Enquanto eram expulsos aos gritos de “bandidos” e “criminosos”, os PMs ainda tentaram agredir uma criança.

A incursão foi desfraldada como uma operação de vingança após a morte do militar Gabriel Thomaz Feurstein Fadel, filho do coronel da PM Milton Fadel. Gabriel foi encontrado morto no porta-malas de um carro registrado no nome de sua própria família. A PM afirma ter capturado um dos suspeitos, mas promove incursões generalizadas e arbitrárias contra toda a população local.

Atualmente, as tentativas de incursão na região persistem, mas os moradores da região resistem. Os camponeses tem erguido barricadas e convocado apoiadores para resistir às truculentas e ilegais tentativas de invasão da comunidade.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: