AM: Luta por educação em São Gabriel da Cachoeira

AM: Luta por educação em São Gabriel da Cachoeira

Print Friendly, PDF & Email

Em evento realizado na Universidade Federal do Amazonas (UFAM) para anúncio da construção do campus em São Gabriel da Cachoeira¹ , professores e estudantes da licenciatura indígena da universidade realizaram protesto denunciando o caráter antipovo da proposta apresentada pela universidade na manhã de quinta-feira 30/11.

Na ocasião, foi divulgada nota de repúdio da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), onde declaram que “O motivo primeiro de nosso repúdio deve-se à contradição demonstrada na sua programação, uma vez que exclui por completo a já existente proposta de criação do Campus Universitário discutida há anos, pela própria UFAM, com a participação de professores, estudantes, diretores de escolas, lideranças indígenas, instituições governamentais e não governamentais (…)”. Foi destacado também durante o protesto o caráter entreguista da proposta.

Segundo o portal da universidade a proposta apresenta os seguintes temas, Planejamento Estratégico para o Desenvolvimento Regional Autossustentável (Pedras), Presença das Forças Armadas no Alto Rio Negro,entre outros. Ainda que acompanhado de termos como criação de emprego, desenvolvimento sustentável e populações indígenas, a proposta é de fato a tentativa de fornecer aos interesses imperialistas a logística necessária para a exploração da grande quantidade de riqueza mineral e da biodiversidade da região, assim como também manter zonas de controle militar para possíveis conflitos em área de fronteira.

Lembramos que a universidade já participa do convenio Amazonlog que apresenta a falaciosa justificativa de apoio humanitário na tríplice fronteira, mas que na verdade é controle militar do imperialismo americano sobre a região de grande importância econômica, militar e social.

¹ Cidade localizada à 852KM de Manaus, de importância estratégica para controle da fronteira e possuidora de grande riqueza mineral. 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: