PT apoiará chapa de Waguinho, prefeito aliado de Flávio Bolsonaro e dos grupos paramilitares

PT apoiará chapa de Waguinho, prefeito aliado de Flávio Bolsonaro e dos grupos paramilitares

Print Friendly, PDF & Email

A cúpula do PT no Rio de Janeiro (RJ) prometeu apoio a Matheus Carneiro para a prefeitura de Belford Roxo na farsa eleitoral de 2024. Matheus é sobrinho de Wagner Carneiro, o “Waguinho”, atual prefeito de Belford Roxo e marido de “Daniela do Waguinho”, ex-ministra do Turismo de Luiz Inácio. A promessa ocorre junto de outros afagos a Waguinho, destinados a compensar o político após a demissão de sua esposa da pasta do Turismo.

A declaração de apoio ocorreu por parte de João Maurício, presidente do PT fluminense, e Washington Quaquá, vice-presidente da mesma agremiação local. A ideia é que o PT lance um candidato a vice de Matheus, mas o partido promete apoiar Waguinho independente de quem ocupar o segundo posto da prefeitura. 

Maurício afirmou que o partido “está namorando” uma aliança em Belford Roxo. Já Quaquá foi mais incisivo, e escreveu um artigo inteiro em defesa da coligação. “Waguinho precisa ser o centro da nossa articulação na Baixada. Ele sempre foi um aliado leal”, disse o vice-presidente ao monopólio de imprensa O Globo.

Se concretizada, a coligação não seria novidade. Em 2016 e 2020, o PT também aliou-se com o político, apesar da proximidade de Waguinho com setores bolsonaristas. Em 2020, a aliança chegou a gerar pugnas internas no PT, devido à proximidade de Waguinho com Flávio Bolsonaro. Naquele ano, Waguinho participou de eventos públicos com o senador filho de Bolsonaro e afirmou que nenhum governo havia ajudado tanto a cidade quanto o de Jair Bolsonaro. 

Ligações nefastas

Wagner Carneiro também é conhecido por cultivar vínculos com grupos paramilitares da Baixada Fluminense, sobretudo o “Bonde do Jura”, grupo chefiado pelo ex-PM Juracy Alves Prudêncio. Prudêncio chegou a ser condenado nos anos 2000 por formação de quadrilha e homicídio. Na Baixada, sua corja é conhecida por ser a maior da região e promover desaparecimentos, assassinatos e extorsão de comerciantes e moradores.

A proximidade de Carneiro e o “bonde do Jura” foi feita em 2017, logo após a vitória de Waguinho para a prefeitura, e articulada pelo então vice-prefeito Marcelo Canella. A aliança foi profícua. No mesmo ano, Juracy foi nomeado para um cargo de assessor na prefeitura de Waguinho, apesar de o último afirmar que o paramilitar nunca tomou posse. 

Nos anos seguintes, o grupo de Juracy expandiu de forma significativa sua dominação territorial na Baixada, por meio de disputas com o tráfico de drogas feitas em aliança com a PM. O caso mais emblemático dessa expansão foi a tomada do Complexo do Roseiral, anteriormente dominado pelo Comando Vermelho (CV). A expulsão da facção foi iniciada em 2021, quando Waguinho, Daniela e Márcio Canella (deputado estadual e irmão de Marcelo) articularam com Cláudio Castro a instalação de um destacamento policial no Roseiral. Os policiais instalados promoveram na favela ao menos 26 incursões, 28 tiroteios e três chacinas, segundo a Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial (IDMJR), com saldo de 30 pessoas assassinadas. Após a saída do CV, o “bonde do Jura” tomou conta do Complexo, e segue até hoje. 

Verbas e cargos compensam demissão

A orientação bolsonarista de Waguinho sofreu uma mudança brusca em 2022, quando Luiz Inácio ofereceu um cargo de ministra à esposa de Waguinho, Daniela Carneiro, caso o casal apoiasse o PT na eleição presidencial. A prefeitura de Belford Roxo foi a única da Baixada Fluminense que apoiou Luiz Inácio em 2022. 

Apesar do acordo, os planos sofreram um revés em julho, quando Daniela foi substituída do cargo por Celso Sabino (União). Para compensar a demissão, Luiz Inácio e a cúpula do PT tem agraciado desde então Waguinho e seu partido com cargos e verbas. 

Desde junho, o ministério da Saúde autorizou repasses de R$ 13,6 milhões do orçamento secreto para custeio da saúde municipal de Belford Roxo. No mesmo período, Waguinho se reuniu com a ministra da Saúde para exigir uma ampliação do teto financeiro de média e alta complexidade da Saúde do município. Na semana seguinte, foi anunciado que o teto municipal seria ampliado de R$ 42,7 milhões para R$ 75,3 milhões a partir de julho, com uma transferência única de R$ 25 milhões. 

Além das verbas, Luiz Inácio agraciou Waguinho com cargos para os apadrinhados do prefeito. Pedro Paulo Silveira, aliado do casal Carneiro, foi nomeado em julho para a Superintendência de Patrimônio da União (SPU) no Rio de Janeiro. 

Waguinho também cobrou de Luiz Inácio uma visita à Belford Roxo para anunciar construções na cidade, como o Hospital do Câncer da Baixada e a nova sede do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ). Todavia, o governo federal afirmou que “vai ajudar” Waguinho, mas que o Hospital do Câncer deve ser construído com os recursos já destinados ou com as emendas parlamentares de Daniela. O município de Belford Roxo também foi incluído no “Novo PAC”, lançado na semana retrasada por Luiz Inácio. 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: