Registros da Semana de Ação Internacional em apoio à Guerra Popular na Índia

Registros da Semana de Ação Internacional em apoio à Guerra Popular na Índia

Print Friendly, PDF & Email

Revolucionários e democratas de todo o mundo se mobilizaram entre 13 a 19 de setembro, semana de Ação Internacional pela Liberdade dos Presos Políticos na Índia convocada pelo Partido Comunista da Índia (Maoista). Entre as ações realizadas estão: manifestações e panfletagens e atos públicos em representações diplomáticas. Elas foram realizadas na Alemanha, Turquia, Filipinas, Espanha, França, Tunísia, Holanda, Reino Unido, Galícia, Itália e Afeganistão.

Leia também: PCI (Maoista) denuncia crimes de guerra da reação e chama à ação internacional

ALEMANHA

Na Alemanha, ativistas realizaram uma agitação em frente à embaixada indiana na capital, Berlim. Durante a agitação, o chamado feito pelo PCI (Maoista) e suas onze exigências foram lidos, chamando a atenção dos trabalhadores que transitavam pelo local, que expressaram a sua aprovação e solidariedade buzinando, levantando os punhos e conversando com os ativistas. Segundo os ativistas, as consignas deixaram claro que a Guerra Popular na Índia, dirigida pelo PCI (Maoista), é a única forma de acabar com a exploração e opressão do imperialismo.

Em Hamburgo, o Comitê Internacional de Solidariedade Com Presos Políticos (UPOTUDAK, na sigla em turco) organizou uma manifestação em frente ao Consulado indiano em Hamburgo no dia 14 de setembro. Durante a agitação chamou-se a atenção para as pressões e os ataques crescentes contra os presos políticos na Índia. Também participaram do ato membros da Federação dos Trabalhadores da Turquia na Alemanha (ATIF) de Hamburgo, bem como representantes de organizações antifascistas locais.


Também em Hamburgo, a Aliança contra a Agressão Imperialista (AAI) realizou, no dia 17/09, uma manifestação em frente ao Consulado Geral da Índia na cidade. Com faixas, cartazes, panfletos e discursos, os ativistas demonstraram solidariedade com a Guerra Popular na Índia e exigiram a libertação imediata dos presos políticos. Além disso, os ataques com drones perpetuados pelo velho Estado indiano às massas revolucionárias indianas foram denunciados. Durante o protesto, as consignas foram gritadas em alemão, inglês e hindu.

Os funcionários do consulado fotografaram a manifestação das janelas e, quando os ativistas colaram uma fotografia do Dr. G.N. Saibaba (um dos presos políticos que está nas prisões indianas) sobre a placa do consulado, a polícia foi chamada. Quando a polícia chegou, ordenou aos ativistas que se afastassem do consulado. Estes, por sua vez, demonstrando firme decisão em apoiar a Guerra Popular na Índia, não se retiraram e gritaram suas consignas cada vez mais alto e com mais força. Segundo os ativistas, “a manifestação em Hamburgo mostrou mais uma vez que a Guerra Popular na Índia também tem os seus amigos e apoiadores no outro extremo do mundo.”

Em Bremen, também na Alemanha, foi realizado um evento informativo sobre a Guerra Popular na Índia. O evento foi recebido positivamente e foram feitas muitas perguntas acerca do processo revolucionário do povo indiano. Durante o evento, foram denunciados o velho Estado indiano e as suas operações militares Caçada Verde, Samadhan e Samadhan-Prahar e especialmente os ataques com drones. Os presentes ouviram atentamente com a exposição do desenvolvimento da luta revolucionária dos maoistas indianos, e, ao fim, gritaram as consignas: Viva a Guerra Popular na Índia e Viva o PCI (Maoista).

Em Frankfurt, um comunicado convocou as massas, ativistas e revolucionários a tomar as ruas da cidade no dia 18/09 para mostrar solidariedade com a Guerra Popular na Índia e para apoiar as justas exigências feitas pelo PCI (Maoista). O chamado convida os ativistas a comparecerem no Consulado Geral da Índia em Frankfurt e traz as consignas Abaixo o imperialismo! e Apoiar a Guerra Popular na Índia!

TURQUIA

O Partido Comunista da Turquia/Marxista-leninista (TKP/ML) repercutiu o apelo do PCI (Maoista) para a semana de Ação Internacional pela Liberdade dos Presos Políticos na Índia, publicando cartaz com a consigna Liberdade para os presos políticos da Índia e parem com os ataques com drones contra as massas!

FILIPINAS

O Partido Comunista das Filipinas (PCF) repercutiu a convocação dos maoistas indianos em uma nota de seu porta-voz Marco Valbuena. No comunicado, o Partido apresenta as suas sinceras condolências ao povo indiano e ao PCI (Maoista) pelo assassinato do camarada Pandu Naroti, um adivasi [1] que apoiou a classe trabalhadora, os camponeses e todo o povo oprimido e explorado da Índia. O camarada Naroti morreu na prisão no passado dia 25/08, aos 33 anos de idade, depois de lhe terem sido negados os seus direitos a um tratamento médico adequado. O comunicado também menciona o assassinato do defensor dos direitos dos Adivasi, Stan Swamy, de 82 anos de idade, que morreu de má saúde na prisão há um ano. Segundo o Partido, “é de esperar mais mortes, uma vez que os ativistas, progressistas e defensores da Índia continuam presos pelo regime na prisão sob falsas acusações.”.

ESPANHA

Em Madri, na Espanha, o Coletivo Revolucionário de Madri pendurou uma faixa celebrando a Guerra Popular na Índia em frente à Embaixada da Índia. Durante a ação, foi lido um manifesto internacional. O manifesto, assinado pelo coletivo, presta solidariedade às massas revolucionárias indianas exigindo a libertação dos presos políticos e o fim dos ataques com drones.

Denunciando a contínua privação de direitos dos ativistas e massas, o processo criminoso de perseguição dos ativistas democráticos e defensores dos direitos do povo na Índia, o coletiva afirma: “A culpa é diretamente da polícia e das forças paramilitares, ignorando deliberadamente os numerosos relatos de assassinatos nas prisões, tortura pela polícia, atrocidades contra as mulheres, bem como a perseguição dos advogados que processam os seus julgamentos, negando justiça a todos eles.”.

Além disso, o coletivo denuncia o perigo crescente e iminente de ataques aéreos com drones nas áreas do movimento, tendo mais de cinquenta bombas sido lançadas desta forma num período de quatro dias em abril do ano passado. O coletivo, ao fim do manifesto, denuncia o regime fascista de Modi e suas ofensivas “Caçada Verde” e “Samadhan-Prahar”.

Revolucionários da cidade de Valência realizaram pichações e penduraram faixas em solidariedade à Guerra Popular na Índia.

FRANÇA

Em Grenoble, na França, foi pendurada uma faixa com a consigna Liberdade para os presos políticos revolucionários da Índia! Abaixo o regime fascista de Modi!

TUNÍSIA

Na Tunísia, ativistas realizaram uma manifestação em frente à Embaixada da Índia. Os ativistas estavam com cartazes com as consignas Abaixo o regime Hindutva de Modi! Liberdade para todos os presos políticos na Índia!

HOLANDA 

Atendendo ao chamado da Confederação dos Trabalhadores Turcos na Europa (ATIK, na sigla em turco) e da UPOTUDAK, diversos ativistas realizaram uma manifestação com a consigna Liberdade para Presos Políticos na Índia! em frente ao Consulado Indiano. No evento, após ter lido em holandês a declaração do PCI (Maoista), o hino revolucionário indiano “Lal Salam” foi cantado. Os ativistas relatam que quando dois carros de polícia saíram do consulado e vieram até os manifestantes perguntar “quem é você?”, os ativistas revolucionários disseram “somos revolucionários da Turquia e do Curdistão.”. Depois, quando lhes perguntaram “Vocês têm presos na Índia?”, os ativistas responderam com firmeza: “Não, todos os presos políticos são nossos, somos revolucionários internacionalistas”, os policiais voltaram ao consulado após receberem a resposta.

Diversos cartazes assinados pela ATIK e pelo UPOTUDAK foram colados em toda a Holanda. Os cartazes apareceram também na Alemanha, Reino Unido e Áustria.

GALÍCIA

Na Galícia, cartazes foram colados exigindo a liberdade dos presos políticos na Índia.

AFEGANISTÃO

O Partido Comunista Maoista do Afeganistão (PCmA) emitiu uma declaração onde condena veementemente o assassinato do camarada Pandu Naroti e do Padre Stan Swamy pelo regime hindutva de Modi. O Partido afirma: “ Juntamo-nos ao apelo internacionalista para a libertação de todos os prisioneiros políticos do governo fascista da Índia.”.

ITÁLIA

Em Roma, na Itália, uma manifestação em frente à embaixada indiana ocorreu no dia 17/09. A manifestação teve como objetivo principal exigir a libertação incondicional dos presos políticos e o fim dos ataques com drones nas massas revolucionárias indianas. Além disso, a manifestação também repercutiu as onze exigências feitas pelo PCI (Maoista) em sua convocação.

NOTAS

1. Adivasi: Termo abrangente para um grupo de etnias e grupos tribais que conformam os povos originários da Índia.

 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: