Resistência afegã causa novas baixas aos ianques

Resistência afegã causa novas baixas aos ianques

Print Friendly, PDF & Email

Foto ilustrativa

Grupos da Resistência Nacional, especificamente o Talibã, empreenderam uma série de ações contra posições importantes das forças a serviço da ocupação colonial comandada pelo USA, no Afeganistão. A guerra, que perdura já por quase 18 anos, está cada vez mais pendendo a favor da Resistência, que luta para expulsar todas as tropas estrangeiras e por integridade territorial.

Em uma das ações, um posto de controle – tido como estratégico – foi atacado por combatentes da Resistência em Qasgqari, na cidade de Saripul, no dia 13 de maio. Armados com metralhadoras e fuzis de assalto, os combatentes mataram cinco soldados das forças de repressão locais, sob o comando dos ianques, além de deixarem quatro feridos e três detidos. Durante a ofensiva, a Resistência capturou ainda oito fuzis, uma metralhadora e um lançador de granadas, além de vários equipamentos militares.

Essa não foi a única ação da Resistência exitosa. Três dias antes, os combatentes empreenderam uma contra-ofensiva contra tropas ianques e do Exército afegão, que atua sob o controle do USA. Na batalha, que ocorreu no distrito de Chahar Darah, província de Kunduz, um soldado ianque e cinco comandantes locais foram mortos, além de 12 feridos, dentre eles, três soldados ianques.

A batalha ocorreu após as forças pró-colonialismo tentarem uma ofensiva contra as forças da Resistência Nacional. Segundo o portal do Talibã, “o inimigo foi forçado a recuar com as pesadas baixas, depois que sua ofensiva para atacar os civis terminou em derrota”. Depois da derrota, em vingança, os ianques bombardearam a área destruindo casas de civis que residem no local.

Além dessa batalha, os talibãs empreenderam também outras baixas ao imperialismo ianque. Na província de Samangan, no distrito de Haram Sar Bagh, três mercenários, dentre eles um comandante, foram mortos e outros dois ficaram feridos após uma ofensiva da Resistência, também no dia 10. Várias armas foram capturadas.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: