Revolucionários celebram Dia da Heroicidade na Europa e no USA

Revolucionários celebram Dia da Heroicidade na Europa e no USA

Print Friendly, PDF & Email

Em 19 de junho de 2020, revolucionários em todo o mundo celebraram o Dia da Heroicidade, também conhecido como Dia Internacional dos Presos Políticos Revolucionários.

A data remete aos cruéis crimes de guerra por parte do velho Estado peruano, encabeçado por Alan García, contra os revolucionários do Partido Comunista do Peru e combatentes do Exército Guerrilheiro Popular que se organizavam nas prisões de Luringancho, Callao e na Ilha do Frontón, que converteram tais prisões em Luminosas Trincheiras de Combate, na qual protagonizaram uma das mais heróicas resistências na história do proletariado internacional, ao enfrentar com armas precárias o Exército reacionário peruano.

O PCP assumiu então o dia 19 de junho como o Dia da Heroicidade que, anos mais tarde, seria adotado por organizações e partidos revolucionários em todo o mundo como o Dia Internacional dos Presos Políticos Revolucionários.

Em Hamburgo, Alemanha, uma celebração à data foi feita sob o chamado da Aliança contra a Agressão Imperialista, onde os revolucionários ergueram uma faixa com os dizeres Proletários de todos os países e povos do mundo, uni-vos!.

Diversos discursos foram feitos afirmando a necessidade dos revolucionários de combater a violência policial, as agressões imperialistas e o estado de emergência vigente na Alemanha (ao qual eles denunciam como forma de perseguição ao protesto popular sob a alcunha de “combate ao coronavírus), além de falas sobre a situação dos presos políticos revolucionários e o Dia da Heroicidade. 

Manifestantes celebram o Dia da Heroicidade em Hamburgo. Na faixa, “Proletários de todos os países e povos do mundo, uni-vos!”

Já em Bremen, uma manifestação organizada pela “Iniciativa pela Liberdade dos Presos Políticos” com cerca de 100 manifestantes foi feita nesse dia, com discursos sobre a situação em geral dos prisioneiros de guerra do Partido Comunista da Índia (Maoísta), e em particular das mulheres guerrilheiras nas prisões da reação indiana, além de abordarem a história e significado do Dia da Heroicidade no Peru.

Revolucionários celebram o Dia da Heroicidade

Uma faixa também foi posta em uma ponte de um bairro proletário em lembrança ao Dia da Heroicidade e em defesa a vida e saúde do Presidente Gonzalo, chefe do Partido Comunista do Peru e da revolução peruana, há 27 anos encarcerado numa cela subterrânea na base naval do Callao.

Na capital da Noruega, Oslo, a embaixada do velho Estado peruano teve sua porta pichada, com Viva o PCP, além do símbolo da foice e o martelo.

Porta da embaixada peruana pichada com “Viva PCP” e a foice e o martelo

Também, em Trondheim, um cartaz e duas bandeiras carregando o símbolo do proletariado, a foice e o martelo, foram penduradas em uma ponte da cidade. No cartaz, lê-se Viva o Dia da Heroicidade.

“Viva o Dia da Heroicidade”

Tønsberg e Kristiansand também contaram com cartazes e pichações prestando suas homenagens ao dia.

Em Los Angeles, USA, um grafite foi feito em homenagem ao dia, com os dizeres Rebelar-se é justo! e Honra e Glória ao Dia da Heroicidade. Outra pichações também foram vistas pela cidade. Além de Los Angeles, Charlotte, St. Louis, Orlando e Houston também contaram com homenagens ao dia.

“Rebelar-se é justo! Honra e Glória ao dia da Heroicidade!”

“Dedicado aos heróis caídos nos cárceres, nas luminosas trincheras de combate… Frontón, Luringancho, Callao”

‘Glória eterna aos heróis caídos, viva a revolução!’

Em ocasião ao Dia da Heroicidade, o Comitê Editorial da revista O Maoista  publicou uma declaração, na qual relembram o contexto da data, o papel nefasto da LOD (Linha Oportunista de Direita) na Guerra Popular do Peru, além de falarem sobre a crise geral do Imperialismo e de  defenderem a vida e a saúde do Presidente Gonzalo.

A declaração encerra homenageando os heróis do povo e os prisioneiros de guerra que derramaram seu sangue, ao qual “nós, os comunistas do mundo, assumimos o compromisso indeclinável de seguir seu exemplo luminoso, de iniciar e desenvolver as Guerras Populares em nossos países à serviço da revolução mundial, até que a luz eterna do comunismo seja fixada em todo o mundo sob as bandeiras invictas de Marx, Lenin e Mao Tsé-Tung, do sempre vivo marxismo-leninismo-maoismo.”

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: