RJ: Complexo Do Viradouro em Niterói é invadido por forças de repressão

RJ: Complexo Do Viradouro em Niterói é invadido por forças de repressão

Print Friendly, PDF & Email

Moradores exigem respeito durante operação da PM. Foto: Redes Sociais

Forças policiais ocuparam o complexo de favelas da Viradouro, localizada em Santa Rosa, no município de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, por tempo indeterminado e em meio à pandemia do coronavírus. 

No dia 19 de agosto, Polícia Militar (PM) invadiu a favela da Viradouro com o objetivo de ocupar a localidade, em uma operação que contou com Comando De Operações Especiais (COE), Batalhão de Ações com Cães (BAC), Batalhão de Polícia de Choque (BPchq), o Batalhão de Operações Policiais (Bope) e o 12º Batalhão da Polícia Militar de Niterói.

A operação, seguida da ocupação do território pelos militares, faz parte de uma plano de “obras” da região, segundo a prefeitura. Estranhamente (ou nem tanto), as supostas obras ainda não começaram, porém a atuação da polícia não tardou a começar. Tamanha força policial serviu para intimidar e humilhar os moradores da Viradouro com a justificativa de “restabelecer a segurança da população, assim como o acesso aos serviços prestados pelos demais órgãos da administração pública”, como afirmou em nota a Secretaria de Estado da PM. 

Segurança para quem?

Sob a desculpa de segurança para a população e de empreender a tal obra dentro da favela da Viradouro, a prefeitura de Niterói, em conluio com o ex-governador do estado, ordena a ocupação da favela pelos aparatos policiais e todo abuso e violência, consequências da atuação da polícia. 

Apesar do que foi dito na nota da PM, os moradores da Viradouro denunciaram os abusos da Polícia contrariando o que alegam as autoridades sobre fornecer uma “sensação de segurança”. 

Denúncias contra o abuso policial têm sido feitas pelos moradores nas redes sociais, com relatos de que a polícia tem sistematicamente invadido casas, arrombado portas e abordado os moradores com violência física e de forma arbitrária. 

No dia 26/08 os moradores protestaram com faixas nas sacadas das casas pedindo respeito com os dizeres: “Casa de morador, respeite!”, “Casa de morador, não arrombem a porta, saiu para trabalhar”, evidenciando o absurdo tratamento da polícia para com o povo pobre. 

Até agora, pelo menos um morador foi morto pelas Forças policiais e 6 ficaram feridos, mas até agora a informação sobre a identidade dos feridos e do morto não foram fornecidas pela PM.

Terrorismo de Estado 

O terror reconhecidamente expresso pela polícia do RJ, toda sua truculência e métodos ungidos das torturas da Ditadura Militar, se expressa também na polícia de Niterói. Dias após a prisão injusta do jovem Danilo, morador da favela do Estado, em Niterói, a polícia militar promove agora uma verdadeira guerra contra o povo da Viradouro, pretendendo fazê-la não de forma pontual, mas sim, permanente.

A prefeitura de Niterói, com sua desculpa de “revitalizar” áreas da favela, pretende também construir duas cabines policiais dentro da localidade. Essa operação de terror é claramente inspirada na política das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), expressão máxima da militarização reacionária promovida pelo velho Estado nas favelas do Rio de Janeiro. 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: