RJ: Moradores de Campos dos Goytacazes fecham a RJ-180 em protesto contra falta de atendimento médico e ônibus

RJ: Moradores de Campos dos Goytacazes fecham a RJ-180 em protesto contra falta de atendimento médico e ônibus

Print Friendly, PDF & Email

Moradores do distrito de Dores de Macabu e da localidade de Quilombo, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, fecharam na manhã do dia 20 de agosto a RJ-180, que é o principal acesso da região à rodovia BR–101. Os moradores exigem a abertura do posto de saúde de Quilombo e Dores de Macabu, além de uma solução para a falta de ônibus na localidade.

Os manifestantes atearam fogo em pneus e galhos, impedindo o trânsito de veículos em ambos os sentidos, interditando a RJ-180, que liga Campos a Quissamã. Eles reclamam do descaso por parte da prefeitura que, procurada pela imprensa, não se manifestou. “Estamos sem assistência médica e sem transporte. Estamos abandonados”, desabafou revoltado, um morador da localidade em uma rede social.


Moradores de Dores de Macabu e da localidade de Quilombo, em Campos, fecham RJ-180 em protesto contra unidade de saúde fechada e paralisação de empresa de ônibus. Foto: Reprodução

Trabalhadores da viação Cordeiro cruzaram os braços em protesto por atraso em pagamento

Na manhã do dia 19 de agosto, funcionários do autoviação Cordeiro, no município de Campos, paralisaram as atividades em protesto contra atraso no pagamento. Pela manhã, motoristas e cobradores permaneceram em frente à garagem, buscando uma resposta da empresa.

É a primeira vez que profissionais desta empresa se rebelam em busca de seus direitos por conta própria. Em outros tempos, eles só paralisavam quando funcionários de outras empresas iniciavam algum tipo de manifestação. As linhas Dores de Macabu e Ponta da Lama ficaram sem ônibus. A informação é do portal Transporte Coletivo Campos dos Goytacazes (TCCG), que monitora o transporte público do município. Até o momento não há informações sobre posicionamento da empresa.


Trabalhadores da empresa Cordeiro cruzam entrem em greve exigindo pagamento de salários. Foto: Reprodução/Portal Transporte Coletivo Campos dos Goytacazes.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: