RJ: Operários protestam exigindo emprego no Comperj

RJ: Operários protestam exigindo emprego no Comperj

Print Friendly, PDF & Email

Moradores de Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, protestaram na manhã do dia 21 de janeiro exigindo emprego no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O ato, segundo as massas, é contra a contratação de funcionários de outros municípios e de outros estados, enquanto a população local está desempregada.

Na página “Comperj Online” da internet, moradores de Itaboraí denunciaram no dia 11/03 do ano passado que a Kerui-Metodo estava contratando operários de outras regiões, inclusive de outros estados.

O morador Rafael Ribeiro denunciou:”Estão trazendo os trabalhadores porque isso é jogada política para movimentar recursos financeiros em Itaboraí. Depois que o Comperj ficou esse tempo todo sem obras, Itaboraí praticamente quebrou e o prefeito colocou essa burocracia para que as pessoas de outras regiões possam vir alugar e comprar casa para morar para, assim, poder movimentar os postos e mercados e ramos imobiliários”, disse o rapaz.

“Já é a segunda vez que chego ao Sine às 17h e passo a noite lá para tentar ficha e nada. Hoje eu fui o terceiro para encanador industrial e quando cheguei lá pra pegar a vaga, simplesmente não tinha mais”, denunciou Vânia Silva.

Segundo relatos de pessoas que trabalham no Comperj, a maioria da mão de obra é indicação de supervisores e encarregados, esses indicados estão vindo de outros estados para Itaboraí já com os exames admissionais agendados. 

No dia 21/01 as empresas que recebem isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) por integrarem o Comperj, incluindo a Petrobras, terão que gerar no mínimo 3500,00 empregos diretos ou terceirizados prioritariamente dos municípios próximos a Itaboraí, onde a indústria está instalada. A norma, que valia apenas para a fase de operação, virou lei e passa a valer também para a etapa de construção e implantação.

Atualmente, o número de desempregados estimado na região é de 17 mil.

Trabalhadores protestam por vagas de empregos. Foto: Redes Sociais.

Operários da Comperj. Foto: Reprodução

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: