RJ: Polícia nega e tenta impedir socorro a grávida durante operação policial no Complexo do Alemão

RJ: Polícia nega e tenta impedir socorro a grávida durante operação policial no Complexo do Alemão

Print Friendly, PDF & Email

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Cercada em mais uma operação de guerra contra o povo pobre, uma jovem de 17 anos entrou em trabalho de parto por volta das 7 horas do dia 30 de abril, na comunidade do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio. Somente três horas depois a moça pôde dirigir-se ao hospital. Segundo denúncias, policiais são acusados de negligenciar o socorro da jovem.

Uma granada explodiu próximo à casa da menina logo de manhã, fazendo tremer o seu imóvel. Com o susto, a jovem notou que sua bolsa rompeu. Segundo ela, o bebê estava previsto para nascer somente dia 14. A mãe da gestante denunciou até xingamentos dos policiais quando foi pedir socorro para a adolescente.

“Ela levou um susto muito grande. Todos nós levamos. A bolsa rompeu na mesma hora. Ainda pedi socorro aos policiais que estavam próximos da minha casa, para nos ajudar a sair com ela. Expliquei que ela estava em trabalho de parto, mas eles disseram que ninguém entrava e nem saía e me responderam com um palavrão”, declara a mãe da jovem ao Jornal Extra.

A incursão contou com agentes do Batalhão de Choque da Polícia Militar com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), do Batalhão de ações com Cães (BAC) e do Grupamento aeromóvel (GAM).

Moradores reiteram a versão da mãe e denunciam a atuação genocida do velho Estado.

“Nada se planta aqui. Não temos fábrica de fuzil. E porque temos que pagar por isso? Uma menina de 17 anos em trabalho de parto e a polícia não socorre e nem deixa socorrer”, disse um morador ao Jornal Extra, sob a condição de se manter anônimo. ”Não podemos sair e nem entrar na nossa favela. Porque o Estado nos mata de qualquer forma. Não somos coniventes”, afirma outro morador ao mesmo jornal.

Somente quando ativistas mobilizaram-se em torno do caso que a moça conseguiu ser encaminhada ao pronto socorro, por volta das 10 horas. A filha da jovem nasceu por volta das 21h00, no Hospital Maternidade Carmela Dutra, no Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro; os quadros de saúde da mãe e filha são estáveis.

A Polícia Militar e o governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, não emitiram nenhum posicionamento sobre a negligência dos militares.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: