RJ: Rapaz é executado por policiais enquanto estava indo comprar cigarros

RJ: Rapaz é executado por policiais enquanto estava indo comprar cigarros

Print Friendly, PDF & Email

Yago Mesquita Delfino, de 25 anos, foi morto no dia 29/06 em Anchieta, na zona norte do Rio, enquanto se dirigia para comprar cigarro, por volta das 23h. A mãe de Yago, que teve a identidade preservada, acusa os policiais de terem executado o rapaz.

O jovem foi atingido por um disparo durante um tiroteio e tentava se abrigar perto de uma lixeira quando um policial militar se aproximou e perguntou onde estava “a arma”.

“Meu filho negou que estivesse armado. O policial atirou mais duas vezes. Sei que uma das balas atingiu o ombro dele de cima para baixo. É uma revolta muito grande, a polícia chegou e fez um cerco. Meu filho, além de baleado, também foi agredido”.

A mãe disse que ao chegar à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ricardo de Albuquerque, para onde Yago foi levado, soube que ele havia dado entrada na emergência como um “homem não identificado”. Ela disse que o rapaz estava sem documentos, relógio, celular e roupas.

“Deixaram ele como um João Ninguém”, lamentou a mãe bastante revoltada com a covardia que o filho foi submetido. 

Na 27ª Delegacia de Polícia (Vicente de Carvalho), a mulher encontrou a identidade do filho, que teria sido levada por um militar envolvido na covarde ação: “Como ele deu entrada como um homem não identificado no hospital se estavam com a identidade dele? Não tem explicação para isso”, questionou. 

Yago trabalhou com carteira assinada até novembro do ano passado e atualmente procurava empregos e fazia obras; ele era casado e não tinha filhos. As roupas do rapaz foram localizadas, mas, de acordo com a mãe, o relógio e o celular continuam desaparecidos. 

“Nós fizemos um rastreamento do GPS do telefone quando fomos no local onde tudo aconteceu. O celular estava lá. Mas não conseguimos descobrir com quem”, afirmou a mulher.

Foto: Banco de Dados AND

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: