RJ: Trabalhadores e estudantes se revoltam com paralisação de trens após protesto contra o aumento da tarifa

RJ: Trabalhadores e estudantes se revoltam com paralisação de trens após protesto contra o aumento da tarifa

Print Friendly, PDF & Email

Manifestantes protestam na Central do Brasil contra o aumento do preço da tarifa de trem. Foto: Banco de Dados AND

No início da noite de 25 de janeiro, trabalhadores e estudantes do Rio de Janeiro se revoltaram após paralisação dos trens, que ocorreu na mesma hora em que o protesto contra o aumento da tarifa dos trens chegou na Central do Brasil. Indignados, os trabalhadores tentaram entrar na bilheteria da estação Central do Brasil, fechada subitamente por seguranças privados e policiais militares.

A paralisação foi justificada pela Supervia. Manifestantes, porém, apontam que a empresa mentiu ao colocar que a paralisação se deu por conta de uma falha no sistema de energia.

Policiais fazem cordão de isolamento na entrada da Central do Brasil. Foto: Banco de Dados AND.

PM genocida reprime trabalhadores

O batalhão de Choque da Polícia Militar (PM), responsável por chacinas em todo estado do Rio de Janeiro, e o Grupamento de Polícia Ferroviária (GPFer), também da PM,  reprimiram os trabalhadores presentes no local. Os policiais agrediram e lançaram spray de pimenta contra a multidão. A Supervia, empresa que obtém a concessão para explorar a malha ferroviária do Rio e Baixada Fluminense,  alegou que a paralisação dos trens se deu por conta de uma falha no sistema elétrico. Muitos trabalhadores contestaram essa versão. Eles fizeram denúncias de que a empresa suspendeu as operações na estação por medo de que os manifestantes entrassem na mesma.

A circulação de trens na estação só foi normalizada por volta de 20h20, causando enormes transtornos para a população com a superlotação dos trens.

Protesto contra aumento da tarifa

Como vem acontecendo por todo o Brasil, os trabalhadores do Rio de Janeiro ouviram no fim do ano de 2021 o anúncio de que a Supervia iria aumentar a tarifa de trem para R$ 7 a partir do dia 02/02. Antecipando e denunciando como um absurdo o aumento, centenas de trabalhadores e estudantes realizaram um protesto contra o aumento. O ato aconteceu  na estação Central do Brasil, no dia 25 de janeiro.

Manifestantes fecharam uma das faixas da avenida Presidente Vargas e caminharam até a Central do Brasil. Foto: Banco de Dados AND

Os manifestantes se concentraram em frente ao prédio da Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários, Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp), na avenida Presidente Vargas, por volta de 16h. Em seguida, eles caminharam em direção a Central do Brasil, onde mais manifestantes, movimentos populares, entidades sindicais e demais organizações se juntaram ao ato.

Movimentos populares estudantis e de juventude estiveram presentes no ato. Foto: Banco de Dados AND

Durante todo o protesto foram proferidas palavras de ordem contra o aumento da passagem, contra a prefeitura e governo do Rio e contra a Supervia. Em meio ao protesto, organizações de juventude marcavam presença,  entre eles estavam presentes ativistas do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) e da Unidade Vermelha – Liga da Juventude Revolucionária (UV-LJR), que entoaram palavras de ordem como: É luta radical que muda a situação, contra o aumento vai ter rebelião!, A nossa luta unificou, é estudante junto com trabalhador!, Não tem arrego, você aumenta a passagem, eu tiro seu sossego!  e Trabalhador pode se rebelar, essa tarifa você não tem que pagar!. Também foram vendidos durante o ato a nova edição do jornal Estudantes do Povo, imprensa do movimento estudantil combativo.

O Comitê de Apoio – Rio de Janeiro (RJ) também esteve presente no ato. Os brigadistas do AND venderam e distribuíram edições do jornal para as massas presentes no protesto.

Trabalhadora ambulante posa com um exemplar do jornal Estudantes do Povo que adquiriu durante o ato. Foto: Banco de Dados AND

O Comitê de Apoio – Rio de Janeiro (RJ) esteve presente no ato vendendo a nova edição e distribuindo as antigas. Foto: Banco de Dados AND

Criminoso aumento de passagem

O aumento da passagem de trens urbanos no Rio de Janeiro é um crime contra a população. Em um cenário de inflação galopante que acumula uma alta de 10,20% nos últimos 12 meses, o aumento de 40% nas passagens supera o aumento de 10,8% do salário mínimo para 2022.

Com isso, muitos trabalhadores que necessitam utilizar os trens todos os dias terão que escolher entre comer, pagar as contas ou pagar a passagem. Tal tarifa compromete 34,2% do salário mínimo daqueles que utilizam o bilhete único intermunicipal de segunda à sexta-feira para ir e voltar do trabalho.

Supervia: mortes e acidentes

A Supervia, empresa que quer aumentar a passagem para R$ 7, é conhecida pelo péssimo serviço oferecido à população na administração das malhas ferroviárias. É muito comum acontecer mortes e acidentes com usuários dos trens sob administração da Supervia. Somente em 2018, duas pessoas morreram por semana atropeladas por trens. Em 2019, dois trens se chocaram e um maquinista morreu na estação de São Cristóvão.

Tais acidentes ocorrem por conta do sucateamento e negligência promovidos pela Supervia, enquanto arrecada milhões com isenções de pagamento de impostos e benesses do governo do estado. A superlotação, falta de acessibilidade, trens velhos e caindo aos pedaços, atrasos diários, falta de segurança e repressão aos camelôs são as principais queixas dos trabalhadores que utilizam o serviço.Os trabalhadores já deixaram bem claro que não aceitarão passivamente esse novo ataque contra os direitos do povo. Novas manifestações são previstas.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: