SC: Moradores resistem a despejo no bairro Jardim das Oliveiras em Araquari

SC: Moradores resistem a despejo no bairro Jardim das Oliveiras em Araquari

Print Friendly, PDF & Email

Centenas de moradores do bairro Jardim das Oliveiras, no município de Araquari, Santa Catarina, resistem ao despejo imposto a cerca de 200 famílias que vivem e lutam há mais de 10 anos na área. Os moradores estão organizando atos, vigílias e barricadas para defender a permanência no local.

A expulsão está prevista para dia 17 de janeiro e contará com forças de repressão. O bairro está localizado em uma área pertencente à Secretaria do Patrimônio da União (SPU) e abrange 193 mil metros quadrados, que representa 2% dos mais de 8 milhões de metros quadrados totais de terras federais na localidade.

Foi realizado no dia 14 de janeiro um ato em frente à prefeitura e à Câmara de Vereadores de Araquari que se iniciou na Associação de moradores do bairro e seguiu para uma visita à Advocacia-Geral da União (AGU) e Ministério Público Federal (MPF) em Joinville. No dia 16 acontecerá uma vigília noturna contra o despejo e no dia 17 um Ato de resistência com barricada popular solidária contra o despejo durante todo o dia.

Famílias realizam ato no município de Araquari contra a ameaça de despejo. Foto: Banco de dados AND

Promessas eleitorais e a verdadeira face do prefeito

A principal reivindicação dos moradores é a regularização dos terrenos. Porém, o governo municipal representado pelo gerente de turno Clenilton Carlos Pereira (PSDB), mesmo com a iminência de receber da união a doação do terreno possibilitando a regularização, se recusa a endossar essa alternativa favorecendo assim a especulação imobiliária, uma vez que a área se encontra em uma região central da cidade.

Os moradores afirmam que durante as eleições Clenilton frequentou a área, fez diversas promessas, promoveu churrascos e pediu votos. “Você falou para mim que a primeira coisa que ia fazer quando assumisse era regularizar para fazer rua, esgoto e luz. Disse que ia botar o seu advogado para fazer a escritura”, alegou um morador em ocasião de um ato realizado na prefeitura em 2017.

Além dos desmandos, os trabalhadores também denunciam o assédio da prefeitura e a pressão física e psicológica contra os que lutam por moradia. “Agentes do prefeito fazem áudios com chantagens emocionais para pressionar a população e a polícia pressiona muito, faz forte intimidação”, afirmou o morador Wanderlei ao portal Jornalistas Livres.

Manifestação realizada dia 14 em frente ao Defensoria Pública, em Joinville. Parte de agenda de lutas contra a expulsão. Foto: Laura Dacoreggio

O velho Estado

A Defensoria Pública da União (DPU) entrou com uma ação para regularização fundiária das terras em desuso pertencentes à extinta Rede Ferroviária Federal (RFSA), hoje assumidas pela SPU, mas o juiz da primeira instância da Justiça Federal de Joinville, Paulo Cristóvão de Araújo Silva e Filho além de negar o direito, determinou prazo de 30 dias para despejo dos moradores, a contar do dia 16 de dezembro de 2019.

Uma grandiosa manifestação foi realizada esse fim de semana na recém inaugurada ponte Hercílio Luz. Uma faixa com a frase Senhor juiz: você ganha R$ 4.700,00 de auxílio moradia. Não é justo nos despejar!, foi erguida.

Manifestação na ponte Hercílio Luz expõe contradição entre o direito à moradia e os privilégios do judiciário.  Foto: Jornalistas livres

 

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: