Somália: 46 soldados invasores são aniquilados

Somália: 46 soldados invasores são aniquilados

Print Friendly, PDF & Email

Combatentes da Resistência Nacional somali aniquilaram 46 soldados durante um ataque a uma base militar da União Africana, dia 1º de abril, em um vilarejo chamado Bulo-Marer, no sul do país.

Os combatentes, vinculados ao Al-Shabaab, iniciaram a ação com dois carros-bomba que explodiram na entrada da base fortificada. A ação mobilizou pelo menos 100 combatentes da Resistência Nacional, que utilizaram granadas e metralhadoras. Em troca, 14 combatentes do Al-Shabaab tombaram no ataque.

Os 46 soldados eram provenientes de Uganda e atuavam na operação de ocupação colonial do país, sob o pretexto de estabilizá-lo contra a ação de grupos armados islâmicos. Esses grupos armados islâmicos, que muitas vezes revestem suas ações e políticas com um teor sectário e religioso, centraliza hoje suas ações contra as tropas estrangeiras.

Um pouco mais sobre a ocupação

Conforme já analisamos em AND 207, a Somália e outros países fronteiriços foram arrastados para a guerra de dominação após a intervenção com tropas do imperialismo francês no Mali, em 2013. Na ocasião, grupos armados islâmicos tomaram controle de vastos e ricos territórios no Norte do Mali, contrariando os interesses franceses.

No entanto, a invasão imperialista francesa – que, em junho de 2013 passou a realizar-se com tropas da ONU provenientes de vários países, mas dirigidas pelos franceses – logo passou a realizar ações nos países limítrofes, como Chade, Somália, Níger e Burkina Faso, levando para esses países os grupos de Resistência Nacional.

Na Somália, além de tropas da União Africana – que é hegemonicamente manobrada pelo USA – há tropas do imperialismo ianque. Em abril de 2017, o arquirreacionário Donald Trump enviou dezenas de tropas ao país, no maior movimento do tipo desde sua fatídica derrota na batalha de Mogadíscio, em 1993, quando foram aniquilados 14 soldados ianques e derrubados dois helicópteros de guerra.

Os soldados ianques atuantes no país pertencem à 101ª Divisão Aerotransportada e visam bater as posições do grupo Al-Shabaab.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: