SP: Camponesas fazem protesto contra lentidão do Incra

SP: Camponesas fazem protesto contra lentidão do Incra

Print Friendly, PDF & Email

Mulheres camponesas organizadas pela União Nacional Camponesa (UNC) pararam a Rodovia Bauru-Iacanga no estado de São Paulo, no dia 21 de agosto. O ato ocorreu em repúdio à venda ilegal da Fazenda Santo Antônio, reocupada no dia 17 de agosto.

A Fazenda Santo Antônio pertencia a um frigorífico que faliu em 2014. Nesse período de 4 anos, foi palco de intensa disputa com considerável número de ocupações camponesas. “A área já foi leiloada três vezes.”, relata a nota da UNC, que denuncia o papel do judiciário reacionário em evitar a qualquer custo o destino da área aos camponeses sem terra ou com pouca terra.

Mesmo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) tendo ofertado os maiores valores nos últimos três leilões, as terras da fazenda foram encaminhadas pelo judiciário à inciativa privada.

A nota da UNC comenta também que após a vitoriosa reocupação do dia 17, ocorreu a vigésima quinta reintegração de posse da fazenda.

O protesto do dia 21, com uma ação de queima de pneus, foi planejado e dirigido pelas mulheres camponesas, segundo a UNC, contra a venda da fazenda, a qual a nota qualificou como “golpe judicial”. O protesto rechaçou ainda a lentidão e incapacidade do velho Estado, representado pelo Incra, em realizar a distribuição de terra entre camponeses.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: