índia

Revolucionários indianos realizam ação de grande proporção contra tropas do governo fascista

Guerrilheiros do EGPL, dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoista) deixaram 35 seguranças da CRPF mortos em um ataque em Chhattisgarh.
Intelectuais indianos da Campanha Contra a Repressão do Estado (CASR) denunciaram o assassinato de três camponeses por policiais. Segundo eles, um falso cenário foi montado para justificar as execuções.
Um policial da CRPF, força conhecida por crimes contra o povo, foi morto em Sukma, região onde os revolucionários atuam. Os revolucionários também realizaram ações de sabotagem, propaganda revolucionária e convocaram uma greve nacional.
Reproduzimos a tradução na íntegra de uma nota publicada no portal de notícias The Red Herald ("O Arauto Vermelho") sobre novas ações realizadas por revolucionários indianos organizados no EGPL, dirigido pelo PCI (Maoista).
Houve novos relatos de várias novas ações na guerra popular na Índia, dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoista).
Sanjoy Deepak Rao foi preso junto de sua companheira Muruvupalli Raji, acusado de ser um quadro do PCI (Maoista). Nenhuma prova foi apresentada.
O velho Estado indiano colocou na ilegalidade 64 organizações populares sob a alegação de que tinham ligação com o PCI (M).
O velho Estado indiano está realizando uma ampla campanha de repressão contra ativistas de direitos democráticos no Estado de Uttar Pradesh.
Tomás Paiva reuniu-se com militares indianos para discutir aproximação das forças militares dos dois países.