USA: Maoistas agitam operários contra superexploração nas fábricas

USA: Maoistas agitam operários contra superexploração nas fábricas

Print Friendly, PDF & Email

Cartaz advertindo o gerente é pendurado na frente de sua casa

Militantes maoistas de Pittsburgh, estado da Pensilvânia, promoveram ações de agitação em uma fundição de ação contra a superexploração e a humilhação promovida pelos gerente contra os operários. As ações foram veiculadas no dia 29 de agosto, pelo site Incendiary News.

A fundição, denominada McConway & Torley, foi duramente criticada pelos maoistas, que distribuíram panfletos denominados “Relatório do operário”, nos quais explicaram o quão inaceitáveis são as formas de superexploração que os gerentes obrigavam os operários a passar e instigaram-os à luta. “Na McConway & Torley, os operários são empurrados ao limite. Diretores, estejam avisados. Operários, rebelar-se é justo!”, afirmaram.

De acordo com o portal Incendiary News, as ações foram feitas após a empresa prolongar a jornada de trabalho a níveis qualificados pelos maoistas de “desumanos”. A situação é tal que um trabalhador foi hospitalizado devido à exaustão por conta do calor na fábrica. Mesmo após a hospitalização do operário, o gerente da fábrica continuou a negar as pausas necessárias para aliviar o calor sufocante, gerado pela fundição do ferro.

O jornal explica que as “pausas do calor” devem ser garantidas aos operários quando a temperatura dentro da fundição chega a um certo ponto, mas têm sido rotineiramente negadas aos trabalhadores da fábrica pelos supervisores, que ganham bônus se cumprirem as cotas absurdas de produção. 

Também não são permitidas pela empresa pausas para ir ao banheiro, levando muitos a urinar e defecar no chão da fábrica. Mais recentemente, a gerência também anunciou uma nova política que ameaça demitir os trabalhadores por qualquer atraso, apesar dos turnos dos operários serem mudados aleatoriamente.

No panfleto “Relatório do operário”, distribuído na fábrica, coloca-se que essa política de demitir por atraso é uma forma da empresa se livrar dos trabalhadores por “justa causa”, não precisando cumprir com várias questões das leis trabalhistas. Os maoistas denunciam que, pelo mesmo motivo, estão acontecendo testes de urina para drogas aleatoriamente. 

fábrica da McConway & Torley, em Pittsburgh, Pensilvânia

Panfleto “relatório do trabalhador”, distribuído na fábrica

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: